Seja como a sessão da tarde

Quinta, 26 de abril de 2018


Seja como a sessão da tarde e não se leve tão a sério. É sério, ou melhor, nem tão sério assim. O que quero dizer é para apenas relaxar.

O sol não está tão forte e nesse horário você pode, e vai, encontrar aqueles bons filmes assim que ligar a sua televisão. Não que você não queira pensar em coisas complicadas e complexas, cheias de relativismo social e niilismo. Rir faz bem de vez em quando. É como se a gente soubesse que, mesmo as coisas estando um pouco difíceis aqui e ali, ainda somos capazes de rir.

Rir é o melhor remédio.

Par isso, é importante não levar tudo a ferro e fogo. Espero que também não leve a ferro e fogo essa minha frase.

Porque você está em casa, com a televisão ligada e aposto que não teria algo mais divertido do que A Hora do Rush (sou muito fã dessa trilogia). Ou então os Caça Fantasmas. Até mesmo todos os filmes da Loucademia de Polícia (isso sim, uma franquia de respeito).

"As dancinhas do Lee e do Carter, como não curtir?"

Confesso que me empolgo com todo aquele conceito de “universo expandido” e “filmes que se interligam” ou até mesmo “reveja o filme com todas as nuances descritas pelo diretor”. Mas nada se compara com A turma da pesada, aquele filme dos gordinhos no acampamento do Ben Stiller, assim como Heróis muito loucos, em que um dos poderes de um personagem é ficar invisível, contando que ninguém o veja.

Como curto aquele filme Evolução, dos alienígenas que invadem a terra. Pasmem, somos salvos graças à shampoos e não haveria solução e personagens melhores como aqueles para uma boa risada.

Entendem onde quero chegar?

A gente pode perder horas falando sobre todas as possibilidades de Donnie Darko (juro, seria uma discussão muito bacana), mas, ainda sim, aceitaria numa boa e de primeira, o convite para assistir a Um Ninja da Pesada, Mortal Kombat ou Debi e Loide.

"Bora saber o que vai dar dessa cena! Depois prometo que a gente discute as linhas temporais de Donnie Darko"

Não pense que não gosto de pensar ou que sou menos culto ou, ainda, alienado. Isso seria muita presunção da sua parte, de uma arrogância que acredito que não seja sua. Por favor, me faça crer que estou certo a seu respeito se eu disser que nunca assisti a nenhum filme do Almodôvar. Se assisti, não me lembro.

Talvez não me impactou, sei lá.

Só penso que, as vezes, a gente tem que deixar de se levar tão a sério. É tanta coisa a se fazer, tanta coisa a se pensar que, se a gente não tiver um tempo para sermos como aqueles filmes da sessão da tarde, a gente enlouquece.

As coisas mudam. De repente, o que você acreditava ser uma verdade absoluta, passa a não ser tão certo assim. Então para que se exigir tanto?

"Taí, eu gosto de Como se fosse a primeira vez"

Pegue leve com você mesmo. Ligue a televisão as três horas da tarde de uma terça-feira e, se tivermos sorte, estará passando Como se fosse a primeira vez, A Herança de Mr. Deeds ou Golpe Baixo. E sim, sei que o Adam Sandler interpreta o mesmo personagem todas as vezes.

Mas não ligo para isso. Muito menos ele.

E você deveria fazer o mesmo.

Seja como um filme da sessão da tarde de vez em quando, você vai rir bastante e vai te fazer bem.


voltar