Como não gostar deles?

Segunda, 02 de abril de 2018


Defendo a ideia de que filme deveria ter um, ou uma, filho da puta. Isso mesmo, filho da puta. Aquele canalha descomprometido que, quando você se dá por conta, se vê torcendo por ele, mesmo sabendo que ele força a barra para não merecer isso.

São do tipo que você não sabe se deve confiar, mas ainda sim mantém eles por perto.

Só pessoas desse nível são capazes de fazer isso com a gente. Capazes de fazer com que a gente olhe no fundo dos seus olhos e solte um “mas que filho da puta” cheio de raiva, porém, com um sorriso no rosto. Porque é assim que eles e elas são.

Você deveria ficar muito puto com o Han Solo. O cara não queria saber de nada que não fosse a sua própria pele. E a do Chewbacca também. Pouco importava se o Império iria dominar o universo todo. O seu umbigo, e sua dívida, era muito mais importante.

Então ele resolve dar o ar da graça, com mó pinta de arrependido lá em Uma Nova Esperança, pra ajudar o Luke a destruir a Estrela da Morte.

Querem algo mais filha da puta do que um “eu te amo”; “eu sei”?

Não satisfeito com tanta canalhice, somos levados para um pirata que se vale mais da lábia do que qualquer outra coisa. Vejam só o Jack Sparrow. O cara vendeu a alma pelo navio Pérola Negra, sofreu um motim e só foi o que foi por conta das histórias que inventou sobre a sua estadia de três dias numa ilha deserta.

"Tá bom, tá bom. Dessa vez não tiro a razão"

Jack Sparrow queria a vida eterna e seu único altruísmo era consigo mesmo. Você sabia muito bem disso. Will, Elizabeth e Barbosa também sabiam. E lá estávamos todos no Fim do Mundo, torcendo para o Capitão Jack Sparrow de novo.

Como é que você torce para alguém cujo maior interesse é viver eternamente nos mares? O horizonte é tudo que ele deseja e mais ninguém.

E antes que crie alguma esperança, a Mulher Gato, lá do Retorno do Cavaleiro das Trevas, só queria aquele pen drive para apagar o próprio passado e recomeçar do zero. Pouco importa quem era o Bruce Wayne, o que as joias representavam e as sias digitais. Muito menos se a Liga das Sombras voltaria. Foda-se o Bane, é o bem da verdade.

Pra não dizer que a Mulher Gato é puramente egoísta, podemos dizer que ela é um pouco menos filha da puta porque, no final das contas, ela ficou em Gotham para salvar a cidade. Ou melhor, para salvar “a sua área na cidade”, onde ela mandava e desmandava.

"A cara de quem sabe que você tá devendo um favor"

Me responda, com tanta canalhice, como é que a gente faz para não gostar deles? Porque a gente gosta tanto dessas pessoas cheio de carisma e intenções duvidosas?

É por não conseguir responder que os prefiro. Eles estão ali, sendo quem são o tempo inteiro, quer você goste ou não. Eles não ligam, e nem deveriam ligar. Sem qualquer tipo de maniqueísmo de quem se limita em ser bom ou mal.

Eles são o que são.. Não deveria, mas gosto deles.

Que tenha um filho da puta, ou uma filha da puta, a cada filme, série, desenho ou o que for.

Você não sabe, mas precisamos deles mais do que imagina.

Abraços,

Rafael Moreno


voltar