Ei, Goku, bora trocar uma ideia

Segunda, 19 de março de 2018


Sabe como são aquelas recomendações de vídeos, né? Você tá passando o tempo no Youtube ou no Facebook vendo alguma coisa e então essa coisa puxa outra até que, quando você se dá conta, tá vendo algo diferente do que aquele primeiro vídeo lá do começo.

Com essas idas e vindas cof cof ócio cof cof acabei me deparando com algumas cenas de lutas de Dragon Ball Z. Sim, aquele desenho mesmo que te fazia erguer as mãos para ajudar na Genki Dama que o Goku tava bolando.

Lembrou? Então, é esse desenho mesmo. Mas, sei lá, havia algo diferente, pra não falar estranho. A minha percepção do desenho havia mudado. De repente não se tratava de uma pancadaria entre o inimigo e todos os Guerreiros Z, até o Goku chegar para salvar o dia.

Foi quando reparei que esse desenho tinha mais camadas do que havia percebido.

Antes da gente começar a falar dessas camadas, só pra vocês terem uma ideia, pesquisei por aqui e vi que a data do lançamento do primeiro episódio de Dragon Ball Z aconteceu no dia 26 de abril de 1989 e o seu último episódio foi transmitido no dia 01 de janeiro de 1996. Isso nas televisões japonesas. A gente começou a ver o desenho lá no início dos anos 2000.

E não, o episódio do Goku se transformando em Super Sayajin Fase 3 não foi cortado por conta do ataque terrorista ao World Trade Center. Aquela foi uma falsa memória coletiva que criamos, sabe-se lá como ou porquê.

"Relaxa, a Globo não te tirou esse momento"

Superamos essa parte? Então bora seguir, porque tem muito a ver com a maturidade nas nossas percepções.

Voltando, se a gente considerar o ano do seu lançamento na gringa até os dias de hoje, é impressionante notar como o desenho envelheceu muito bem. Os conflitos, os diálogos e até as situações que levaram os personagens do ponto onde estavam até onde se encontram, tudo isso aconteceu sem aquela forçação de barra, seguindo uma linha bem lógica.

De novo, pode parecer que esteja falando o óbvio para você ou então falando de outro desenho totalmente diferente do que a gente havia assistido, mas a grande “culpa” disso é da nossa memória afetiva. E ela é totalmente justificada.

Comparada com a primeira a parte da sua saga, quando Dragon Ball era somente Dragon Ball e não tinha o Z no nome, a gente nota que houve um amadurecimento na história. Claro, a noção de perigo sempre esteve presente, até mesmo por conta dos constantes desafios para a evolução do Goku, que na época ainda era uma criança, mas essa nova fase vai mais além.

A fase Z apresentou perigos mais reais. Não só pela força, mas por tudo o que cada novo desafio apresentava. Repare que nessa fase, os heróis são constantemente obrigados a evoluírem.

Mas não é sobre as lutas que quero falar contigo. Não foram essas cenas, por mais espetaculares que sejam, que me chamou a atenção. O que me chamou a atenção, depois de véio, são os diálogos trocados em pontos chaves do desenho.

Sim, a gente vai ficando velho e, quando se dá por conta, tá reparando em conversas de dois alienígenas que trocam socos por cinquenta capítulos.

Pensando nessa velhice que nem passava na cabeça do pirralho de doze anos, separei três trechos de alguns dos principais pontos chaves do desenho, pra entendermos como Dragon Ball Z seguia além da luta.

Bora pra eles?

Trecho um: Goku x Freeza. Aqui temos tudo que um embate épico sugere. Cenário apocalíptico, dois guerreiros levados ao limite e muita coisa em jogo. Note como, em seu clímax, o Goku contraria a lógica, desistindo por um motivo interessante: a morte não seria suficiente para o Freeza. Viver sabendo que um ser a raça que sempre escravizou o derrotou é algo muito mais humilhante para seu imenso orgulho.

Goku: Eu desisto.

Freeza: O que foi que disse? Mas o que você quis dizer com “desisto”?

Goku: Pelo fato de ter usado 100% do seu poder o seu ki está enfraquecendo, então não existe mais razão para eu continuar lutando com você. Eu já estou satisfeito e do seu orgulho só restaram cinzas. E tudo isso aconteceu porque apareceu alguém mais forte do que você esperava, Freeza. E o pior de tudo é que se trata de um Sayajin. Não faz sentido acabar com você se está com medo. Prefiro deixar que viva com esse desgosto, pra sempre. Eu vou voltar pra Terra, acho que conseguirei voltar a tempo. Freeza, não procure mais arranjar problemas, e nunca mais quero ver a sua cara.

"Confesse, esse foi um dos auges da sua infância"

Trecho dois: Vegeta x Goku. Vegeta deixa se dominar pelo mago Babidi com o único intuito de vencer o Goku, uma vez que, segundo o próprio, teve seu orgulho amolecido pela vida pacata na Terra.

Vegeta: Preste atenção. Não pense que essa é toda a humilhação que recebi de você. Esses ataques não são suficientes para ajustarmos contas.

Vegeta: Como pode um príncipe dos Sayajins, que possui um orgulho tão grande, ser humilhado por um guerreiro como você? O que me entristece é que tem me salvado a vida, seu verme. Você merece morrer, vou te fazer em pedaços, vou começar pelo braço.

Goku: Não posso acreditar, pensei que tinha treinado muito no outro mundo, mas me enganei. Não imaginei que existisse alguém com a mesma força do que eu. Você n me engana, você também treinou todo esse tempo vegeta

Vegeta: Está enganado, é verdade que tive que treinar mais que você, mais você era mais talentoso para isso, suas habilidades são muito fáceis de se detectar, não importa que tenha o mesmo treinamento que eu. A diferença que existe entre nossos poderes sempre será igual, percebi isso quando você estava lutando contra aquele monstro que o Babidi mandou. Ao ver aquilo, fiquei abalado, Kakaroto. Eu não podia acreditar que um guerreiro de classe inferior como você superasse os poderes de um príncipe frio e calculista como eu. Foi por isso que pedi essa luta em segredo.

Goku: Pediu a Babidi? Agora entendo. Foi por isso que se deixou controlar pela magia dele.

Vegeta: É, e me lembrei dos homens de Babidi no torneio. Seu comportamento estranho chamou muito a minha atenção. E foi quando eu soube pelos outros lutadores que eles haviam ficado mais forte de um jeito misterioso

Pensei muito nisso e tive a ideia que se me deixasse controlar pelo sujeito eu lutaria com você, Kakaroto imaginei que com isso desapareceria nossa diferença de poderes. E o resultado foi como eu esperava. Mas foi um método muito idiota.

Goku: Vegeta, nós dois sabemos que é um guerreiro muito orgulhoso. Mas aceitou ser controlado só pra se tornar mais forte?

Vegeta: Eu só...eu só queria voltar a ser o que era antes. Eu queria voltar a ser o Sayajin cruel e sem piedade a quem nada importava e queria ter uma luta perfeita. Eu me sentia repugnante. Pouco a pouco sem perceber fui fazendo parte de vocês e fui tendo uma vida comum e aborrecida.

Como foi possível que eu, um guerreiro frio, formasse uma família? Eu achei que não tinha nada demais. Meu coração foi ficando mais calmo até a terra parecia um belo lugar para se viver por isso eu tive necessidade de pedir a Babidi que fizesse voltar a maldade que morava no meu coração. E graças a isso agora eu me sinto muito bem.

Goku: Tem certeza do que está dizendo, Vegeta?

"Na época pensava "cala a boca e lutem logo". Ainda bem que fiquei mais véio."

Trecho três: Goku x Majin Boo: Goku está prestes a derrotar o Majin Boo. Isso sem antes reconhecer o valor do inimigo e desejar que o mesmo seja ressuscitado como uma pessoa boa, para que possam ter uma oportunidade de revanche.

Goku: Você é um ser incrível. Eu te admiro muito porque deu o melhor de si. Passou por várias transformações, foi tão poderoso que todos odiamos você. Espero que renasça como uma boa pessoa. Estarei te esperando para lutarmos. Eu também vou treinar. Vou treinar bastante para ficar mais forte. Adeus Majin Boo.

É interessante observar que o desenho não se bastou das lutas, por mais performáticas e carregadas de sentido elas fossem.

Dragon Ball Z se valeu por conta da evolução e amadurecimento dos personagens e por isso envelheceu bem. A gente nem repara que já se passaram quase TRINTA ANOS de desenho, de tão honesta e sincera que foram as suas propostas para os protagonistas.

Por isso que uma história boa não tem prazo de validade.

"Se o Goku falou que tá tudo bem, então tô tranquilo"

Aahhh, antes que me esqueça, uma observação: é desenho. Nem me venha com “aaaaaiiiiinnnnn é um anime, se fala anime, desenho é pra criança”, assuma que você assiste desenho até hoje. É a mesma coisa com o gibi. Gibi é gibi e não “estava lendo uma história em quadrinhos” ou ainda “comprei uma graphic novel”.

Pronto, agora acabou.

Abraços,

Rafael Moreno


TAGS desta postagem

voltar